segunda-feira, 30 de maio de 2011

domingo, 29 de maio de 2011

artista da semana :: Jamie Beck










Além de bonita, Jamie Beck é fotógrafa de moda e tem imensos autorretratos em estilo retro. Mas está a ficar conhecida por ter começado a intervir sobre o estatismo das fotografias, imprimindo-lhes pequenos movimentos que as tornam inusitadas, irreais e surpreendentes. É como olhar para o passado e achar que ele ainda se move em retrospetiva na nossa memória. Acho fascinante o resultado, além de que muda bastante o conceito associado ao formato .gif.




























































quinta-feira, 26 de maio de 2011

quarta-feira, 25 de maio de 2011

'Embeiçados'

Gosto da música, mas o vídeo é tão total e absolutamente fabuloso!


Clã, Embeiçados

terça-feira, 24 de maio de 2011

o amor

que caminhos, os do amor?
que palavra? que rumor?
que fado ou ruim desdita?
que raro lugar habita?

em que bom jardim desponta?
será a favor ou contra?
do lado esquerdo ou direito?
se é cérebro, será peito?

será quente já que é frio?
que forma, se é sem feitio?
viverá sem ter nascido?
morrerá sem ter vivido?

longe, longe, tão perto!
errado, mas sempre certo?
certo, mas sempre errado?
será urbano, nada prado?

tudo prado, nada urbano?
todo animal, nada humano?
será chuva sem deixar
de ser sol, permanente ar?

será noite, se é só luz?
que analgésico produz
tão forte e tamanha dor?
ah... os caminhos do amor!




paulo.xxxi.v.xxiv

domingo, 22 de maio de 2011

[...] e o convite!


Depois do convite feito, a imagem, que tem como base a foto da entrada anterior. Não se tinham esquecido do jantar, pois não? Já falta muito pouco!
Já agora, se puderem divulgar pelos vossos meios, a gerência agradece.
Outros pormenores seguirão no próximo fim de semana, num email endereçado aos interessados em participar nesta 5ª edição.



The Farm, All together now









Deixo o código para poderem divulgar a imagem do convite, já que desta forma é mais fácil e rápido para quem o quiser colocar no respectivo estaminé.
Para quem não percebe muito do assunto, basta copiar e colar o código html aonde quiserem, só têm de ajustar as dimensões da imagem (mudar o valor "WIDTH"). Podem fazê-lo aqui e depois copiam todo o código. Ou copiam todo o código e, depois, fazem a alteração. Não custa nada, mas em caso de dúvida perguntem.


(original com 700 x 419 || 330 kb)

sábado, 21 de maio de 2011

o original [...]

As fotos abaixo são na verdade a mesma que foi tirada aquando do terceiro jantar de bloguistas (e o primeiro no Guilho), a 9 de Maio de 2009. Os sapatos são obviamente de alguns dos participantes.
A foto alterada foi publicada numa entrada de agradecimento.




domingo, 8 de maio de 2011

coisas que eu sei

Sei pouco.
Sabemos sempre pouco para o tempo de que dispomos para aprender.
Mas sei que tenho de agradecer os comentários que fizeram à entrada que o Zé pôs sobre os 10 anos que fizemos.
Mas antes um desabafo: a semana foi tão intensa de trabalho que nem deu para me aperceber que já lá vão 10 anos. E quando digo 'intensa' não estou a ser eufemístico! Em duas noites seguidas, dormi 3h e meia, e mais horas tivesse o dia e maior seria a romaria. Confesso que ainda não me refiz totalmente e o atordoamento ainda se reflete no meu discurso e atos. Fora isso, tudo bem. Talvez seja muito exige nos pormenores. Sei que sim.
Além deste pormaior, estivemos a semana quase toda separados (e ainda bem, que de outra forma nem eu teria conseguido trabalhar tão intensamente). Ainda não comemorámos. Aliás, perfeito, perfeito seria casarmos neste ano redondo das nossas vidas. Mas ainda não chegou o momento. Os laços que nos unem já são suficientemente fortes.

Mais coisas que eu sei e das quais já nem costumo falar muito por aqui. Então:

Sei que
- há 10 anos, nenhum de nós imaginaria chegar até aqui. Como já noutras ocasiões referi, há muito que entrámos em velocidade cruzeiro: poucas coisas serão capazes de nos desviar da rota. Concluo: a questão de 'aonde havemos de chegar' ou 'até quando' não faz muito sentido. Havemos de chegar aonde nos esperam e 'para sempre' é muito tempo. E tempo nenhum.

Sei que
- há 10 anos, éramos muito mais jovens. A idade, o tempo não nos perdoam. Mas o tempo também nos ensinou a conhecermo-nos melhor. E concluo: se não consigo conhecer-me a mim próprio como é que hei de conseguir conhecer o Zé?... o conhecimento é sempre um jogo de estratégia, de aproximação, teste e tática. Gosto muito dele, mas ainda não o conheço a ponto de saber como reagir a algumas coisas que diz ou faz. O contrário (i.e., o Zé em relação a mim) é igualmente, ou mais, verdade. E concluo: dificilmente havemos de chegar a um ponto em que diremos 'Acabou a demanda, nada mais temos para descobrir um no outro'.

Sei que
- continuamos a não pertencer um ao outro. Melhor: pertencer até pertencemos, mas só parcialmente, porque nós pertencemos, antes de mais, a nós próprios. A independência é um valor (se assim lhe posso chamar) fundamental. A música da minha adolescência 'Nasce selvagem' (Resistência/ Delfins) continua a fazer todo o sentido! Ainda me arrepia. Se não se lembram, pesquisem que facilmente se reverão! E concluo: a infância, a adolescência, a família, os amigos, a escola, a sociedade, enformam-nos de um modo único, às vezes indelével, outras com uma força a que nos é impossível fugir. E esses traços estão sempre connosco, fazem com que sejamos nós próprios. De nós próprios. Se fôssemos uma propriedade, seríamos nós próprios o único titular.

Sei que
- a independência não pode impedir a negociação, a cedência, a comunicação. Afinal, o crescimento. Sei que a certa altura da nossa relação, decidimos crescer juntos. Crescer (como 'independência') é uma palavra-conceito fundamental. Se um dia decidirmos deixar de crescer, acabou. Deixará de haver caminho, rota, meta para percorrermos juntamente. Isto implica que, entretanto, tenhamos que pôr a nossa teimosia de parte e negociar e ceder. Às vezes, a comunicação entre nós é difícil e por isso andamos sempre a palpar terreno, a ver como podemos resolver alguma zona nebulosa. Acho que nunca deixámos nenhuma por dissipar. Concluo: para avançarmos, precisamos de percorrer etapas, algumas delas em que temos de ceder às perspetivas do outro. Ah, crescer é isso: abrir a nossa porta de entrada e permitir que o 'outro' entre em nós e passeie pelos nossos corredores, abra as portas e descubra, mais ou menos lentamente, os pormenores dos nossos (mais recônditos) recantos e aí deixe a marca da sua presença ou passagem (se não deixar, será absolutamente indiferente; se for indiferente não nos fará crescer em nenhum sentido = a zero, portanto = tempo perdido).

Sei que
- me custa dormir sozinho, mesmo que às vezes - quando juntos - não me apeteça dormir abraçado.

Sei que
- não precisamos de muitas palavras para comunicarmos. Só precisamos das palavras certas.

Sei que
- ensinei o Zé a gostar de fruta, a comer mais peixe e legumes, a gostar de plantas e de cores.

Sei que
- me obrigou a enfrentar alguns medos, a gostar de gatos, a ter o ouvido mais atento, a ser mais paciente e menos histriónico.

Sei que
- 10 anos é muito tempo. E que passou muito depressa!


Obrigado a tod@s pelos comentários!


Ah, e para concluir, também sei que
- viajamos sempre. E estamos sempre de passagem... (não se esqueçam vocês disso!)





(música: John O'Callaghan & Betsie Larkin, Impossible To Live Without You)

sexta-feira, 6 de maio de 2011

domingo, 1 de maio de 2011

o dia!

Um dos poemas de que mais gosto sobre "mãe".

Herberto Helder, A fonte II
(música de Rodrigo Leão, álbum Os Poetas)