sábado, 10 de novembro de 2007

~~ pequenas coisas? ~~

Há coisas cujo alcance não vislumbramos imediatamente mas que, revisitadas, assumem dimensões inesperadas. Alguns dos meus alunos, gente (muito) carenciada, não recebem as suas bolsas há algum tempo. Verifica-se um grande atraso nos pagamentos. Com a mesma excitação e brilho no olhar de uma criança que descobre os presentes na árvore de Natal, uma delas contava ontem o seguinte episódio:
"Já tinha ouvido dizer que há uma hora em que se pode levantar dinheiro no Multibanco, mesmo com a conta a zeros. Esta noite o meu homem levantou-se às duas da manhã, pegou no cartão dele e no meu e saiu. Chegou a casa com 70 euros! Cinquenta que tinha levantado da conta dele, mais vinte da minha porque não conseguiu levantar mais. Ah, Professor, eu estava deitada e ele deixou cair as notas em cima da cama, como chuva. Eu só disse "Hi, já temos dinheiro p'ra comprar comida!" As colegas olhavam-na num misto de admiração e inveja. Uma delas comentou: "As coisas que eu ando a aprender!"
O meu coração explodiu em mil fragmentos de sentimentos indefinidos. Também eu aprendi. Preciso de dizer mais alguma coisa?

11 comentários:

  1. Caro Zé
    aconteceu um milagre; hoje abri, à primeira o vosso blog e as respectivas janelas de comentários e assim vou aproveitar para pôr a escrita em dia convosco, e esperando que de agora em diante seja sempre assim.
    Quanto ao assunto do post é ao mesmo tempo triste, muito triste, mas que nos faz sentir solidários com tanta miséria alheia, que nem sempre recordamos como deve ser; obrigado por tê-lo lembrado.
    Abraços e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. Sim, nós vamo-nos queixando das nossas vidas e por vezes esquecemos que até somos uns sortudos, que há gente em condições bem piores que nós. Se nos lembrassemos disso mais vezes, talvez vivessemos a vida menos pessimista em relação a nós.

    ResponderEliminar
  3. SILÊNCIO CULPADO disse...
    Perante uma grande sacanice que está a ser feita sobre alguns professores que não recebem vencimento,têm horários d e12 horas ou estão a recibos verdes sugere-se que todos os blogues publiquem a notícia que está no http://cegueiralusa.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Gostei deste post, e gostei do blog. Muito bonito, pela imagem e pelo som!

    ResponderEliminar
  5. pinguim, ficamos contentes por, finalmente, conseguires abrir o blog sem problemas. Sim, entre outras coisas, o post lembra-nos que há sempre quem esteja pior que nós. Nada de novo mas que esquecemos com demasiada frequência.

    ResponderEliminar
  6. TheTalesMaker, às vezes precisamos que nos lembrem de olhar para outro lado que não o nosso umbigo, não é?

    ResponderEliminar
  7. Bianca Castafiore, bemvind@ ao blog, ainda bem que gostas. Nós também gostamos do feedback que vamos recebendo. Contamos contigo!

    ResponderEliminar
  8. Nós professores que trabalhamos em zonas e com pessoas carenciadas de tantas coisas, sobretudo afectos e bens (mesmo que indispensáveis para a sobrevivência), damos com situações semelhantes todos os dias. Mas fizeste bem em partilhar esta situação. Temos demasiada tendência em nos centrarmos no umbigo (ou um pouco mais abaixo :-) e esquecer os problemas dos outros. Obrigado Zé.
    Yoseph

    ResponderEliminar
  9. É triste, muito triste, parece uma cena tirada de Dickens. Mas não alivia a nossa tristeza, em minha opinião, antes pelo contrário. É que a maioria não sofre por ser sobremaneira umbiguista, mas porque se sente impotente para mudar este estado de coisas.

    ResponderEliminar
  10. Yoseph, o nosso umbigo é sempre tão grande e a medida do mundo tão diferente que histórias como esta me parecem estranhas, irreais. Mas a vida real está cheia delas.

    ResponderEliminar
  11. Lili, isto parece inventado e faz parte deste país real em que o que devia chegar, nunca chega a tempo e horas e quem se lixa são os mais necessitados.

    ResponderEliminar

»» responderemos quando tivermos tempo
[se tivermos tempo] »» se os
comentários de algumas entradas estiverem bloqueados é porque não estamos cá, não há tempo para olhar para o lado, ou essas entradas não têm nada para comentar.

»»
obrigado pela visita!